terça-feira, 25 de julho de 2017

De novo, o 'há' e o 'a'



Há dois dias ("", porque já passou), comentei aqui o uso errôneo do verbo HAVER, encontrado no Comunique-se e no Terra (não sei quem copiou quem, mas é claro que nenhum dos dois tem revisor).

Pois hoje a assídua colaboradora encontrou o oposto no Globo online.

Meteram a preposição "A" onde deviam ter usado "", numa frase que é um espanto:

"Familiares relataram à Polícia Civil que (Fulano) tem um quadro depressivo a pelo menos quatro anos, desde que sua mãe se mudou do Rio de Janeiro, mas que ele nunca apresentou quadro depressivo". (sic)

Regrinha básica: é passado, use ""; é futuro, use "A".

Espero não voltar ao assunto daqui A mais dois dias.

Ah, sim, colegas, prefiram "parentes" no lugar do feioso "familiares" e decidam-se: afinal, o rapaz tem quadro depressivo ou não tem?!?

O futuro já está aqui

Caí na gargalhada ao abrir o e-mail do atento amigo.

O título da mensagem era sugestivo: "Moto pistoleira".


No corpo, a reprodução do texto do G1, que diz:

"Segundo a Polícia Civil, (Fulano), de 41 anos, saía do trabalho, no Barra Garden, em direção ao BRT, quando foi abordado por dois bandidos em uma motocicleta.

Os bandidos fugiram sem levar nada. De acordo com testemunhas, a moto se aproximou e fez os disparos".

Definitivamente, os colegas tiraram o dia para homenagear a ficção científica.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Jornalismo 'sci-fi'

A praga dos "antes, durante e depois" absolutamente desnecessários e ridículos chegou a Goiás.

Foi de lá que um fiel leitor enviou esta "gracinha" do jornal O Popular:

"Homem é preso em Anápolis APÓS torturar e manter a companheira como refém". (sic, com destaque meu.)

Queridos colegas, se o cara tivesse ido pra cadeia ANTES de cometer qualquer crime, seria um caso para o Tom Cruise no filme "Minority report — A nova lei", baseado em livro do ótimo Philip K. Dick.

domingo, 23 de julho de 2017

Tudo se copia. Até a besteira

Deletei sem querer o e-mail do Comunique-se, mas fiquei curiosa com o assunto, que envolvia compras pela internet.

Botei no Google e o que apareceu primeiro foi o Terra, com o horroroso erro (copiado na imagem) abrindo a matéria.

Pessoal, estamos A quatro meses do evento. Se a sexta negra já tivesse ocorrido, seria HÁ quatro meses — e não seria mais notícia, não é?

Mais triste foi, finalmente, achar o texto do portal dos jornalistas e encontrar o mesmíssimo erro:

"Baixo Guandu, ES, 17/07/2017 – Há menos de 4 meses para o maior evento do e-commerce brasileiro, o fim do e-Sedex (...)".

Puxa! Nem um copyzinho rápido, colegas?

sábado, 22 de julho de 2017

Jornalzinho de quinta

Está de matar o baixo nível do Globo.

O que é essa crase antes de "spa", gente?!

O substantivo — que significa "hotel ou estabelecimento que oferece tratamentos de saúde e/ou beleza, emagrecimento, alimentação controlada e natural, ginástica, massagens, sauna, banhos a vapor etc." — é MASCULINO!

Vai-se AO spa, vai-se à sauna e vai pra... Deixa pra lá.

Como se não bastasse, a "lindeza" (enviada pela assídua colaboradora) tem um festival de "após" — ainda não sabem que uma coisa sempre ocorre DEPOIS de outra, tadinhos.

É "Rio sem lei", "Cuidados com saúde" e jornal sem redator, vergonhosamente descuidado com o idioma e o leitor.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O tatibitate do maior jornal do país

Recebi isso agora e estou pasma.

"Enquanto isso", no Jardim de Infância, as coisas acontecem umas "após" as outras, como sói "na vida real".

Gente, que texto é esse?!?

Alguém me belisca pra eu acreditar que é só um pesadelo do qual eu vou acordar já, já?

Como qualquer carioca...

O que vem a ser essa manchete do Globo, enviada pela assídua colaboradora?

Se esses caras não conseguem um só policial, imagina como estão a população do Rio, os turistas, enfim, os cidadãos comuns em geral Eu, hein?!