domingo, 15 de dezembro de 2013

Pompa sem substância

Ontem, num programa em família, comentou-se o exagero de "toda toda", "toda boa" e "beija eu" — entre outras bobagens típicas do que chamamos de "velho babão" — na coluna do Ancelmo.

Pois foi lá que hoje encontrei coisa ainda pior: os "moradores em situação de rua".

Usar linguajar de ONG num jornal popular é dose.

E a expressão "politicamente correta" fala de "pessoas", imagino eu, não de "moradores" — pois, se tivessem onde morar, elas (ou eles) não seriam sem-teto.

Aproveito para sugerir a todos que têm mania (ou gana) de usar jargão e polissilábicas para dar a (falsa) ideia de erudição que leiam, também no Globo de hoje, o Elio Gaspari.

O texto "Natasha e Eremildo numa prova do Enade", do qual reproduzo acima o trecho inicial, é uma aula a respeito do tema.

PS: Madame Natasha é musa deste blog.

11 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite!!
    Aparece cada coisa e principalmente em jornis.
    Não sei se já lhe disse mas publiquei meu primeiro livro " Lúdico Mundo Lúdico" no Amazon http://www.amazon.com.br/ que é apenas no formato digital e no Club de Autores https://clubedeautores.com.br/ que é no formato digital e impresso afinal tanto tempo afastado tem que ter alguma novidade,rsrsrs,
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Moradores "em situação de rua" é dose. Igual a "portador de Síndrome de Down". Eu sou "portadora de miopia" e estou "em situação de edificação", então? Eh, besteira!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Eu, no momento, sou portadora de uma tendinite, mas já estou em situação de fisioterapia. rsrsrsrs

      Excluir
  4. Empresa potencial entrante consegue agregar valor? Empolação sem significado é dose também.

    ResponderExcluir
  5. Tópico muito interessante, Solange. Penso até mesmo já ter falado disso de utilizar uma linguagem aparentemente pomposa, quando citei a tendência francesa de substituir palavras como mendigo por "SDF" (Sem Domicílio Fixo), salário-mínimo por "RMI" (Renda Mínima de Inserção(!)) etc.

    Imagino que a lógica deva ser do tipo "se podemos complicar, para que simplificar?"

    Isto me remete àquela conhecida piada entre Ruy Barbosa e o barqueiro filho de escravos... (ou, pelos tempos que correm, deveria eu dizer "o punt-chauffeur afro-descendente"?) Saudades do Ponte Preta...

    Excelente, Solange, um abraço.
    André

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente, vira e mexe e esse tema se repete, André.
      Grande abraço!
      PS: gostei da definição do barqueiro.

      Excluir