terça-feira, 17 de maio de 2011

Nós, os Eremildos

Conhecem aquele personagem do colega Elio Gaspari batizado de Eremildo, o idiota? Pois é, somos nós.

Pagamos para “educadores” ensinarem nossas crianças a falar errado (não digo nem escrever, porque a maioria chega à idade adulta mal sabendo assinar o próprio nome).

Compramos o melhor jornal do Rio (que já foi “o maior do país”) para ler coisas como “a tradução aparece tipo milagrosamente” (“tipo” é usado como vírgula); nunca quis (a temporada da fruta é interminável na publicação); assistir à “Bonitinha, mas ordinária” (e outras zilhões de crases que não deveriam existir).

E assinamos TV também para ler atrocidades nas legendas ("à bordo" é uma das mais comuns) ou para ver os canais descerem a ladeira, dublando tudo e ainda chamando analfabeto de preguiçoso.

Não, queridos, nós, brasileiros, não somos preguiçosos. Apenas somos "educados" por “professores” como uma tal Heloísa Ramos e demais responsáveis pela distribuição de “Por uma vida melhor” (melhor para eles, é claro). E seguimos com a dieta de engolir ao menos um sapo por um dia (pagando — caro — pelo indigesto bicho, obviamente).

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Esta mensagem pode parecer estranha, chegando em 2012, mas estava dando uma geral e vi que o comentário ficou sem resposta.
      Apareça mais por aqui.
      Beijos.

      Excluir
  2. a gente merece...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta mensagem pode parecer estranha, chegando em 2012, mas estava dando uma geral e vi que o comentário ficou sem resposta.
      Apareça mais por aqui.
      Beijos.

      Excluir
  3. Vinícius Olveira17 de maio de 2011 19:39

    Depois que "NEM" virou sujeito, eu não duvido de mais nada.rss...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta mensagem pode parecer estranha, chegando em 2012, mas estava dando uma geral e vi que o comentário ficou sem resposta.
      Apareça mais por aqui.

      Excluir
  4. Estou pensando em escrever uma "obra" intitulada "Por uma vida pior"... Nela, darei dicas de como ler um livro com erros de Português e achar normal, de como ouvir pessoas falando que Monteiro Lobato era racista e achar que elas estão certas, de como comprar uma coleção completa de DVDs do Big Brother e se sentir inteligente, alimentado pela sabedoria humana e não pela mediocridade, entre outras pérolas. O volume "Por uma vida pior" poderá ser adquirido em banca - de qualquer segmento -, em Banco e em banco - de praça, de escola, de universidade, num país com dimensão cultural continental. Sem filtro.
    Bjs,
    Sergio Fonta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esta mensagem pode parecer estranha, chegando em 2012, mas estava dando uma geral e vi que o comentário ficou sem resposta.
      Apareça mais por aqui.
      Beijos.

      Excluir